Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 22 de agosto de 2015

Cinto

Cinto de elastico com estampa animal print e ferragens douradas. Veio junto com um macacão preto mas nunca o usei...
R$10,00

Melissa seduce IX

Usada uma vez, calça 36.
R$65,00

Macacão Mamô

Tam P (só veste 36 e 38), modelagem ampla nas mangas, decote que pode ser usado ombro a ombro, fenda generosa nas costas, é todo perfeito no corpo (embora as fotos do site estejam ruins0.
Mais tarde posto foto no corpo. O que estou vendendo é preto pq comprei as duas cores .
Preço no site R$215,00
Aqui: 90,00 AGORA POR R$70,00


Regata p ciclismo

Regata nova, sem etiquetas. Marca Marisa. Veste M pequeno, não G como diz a etiqueta.
Tem uma biciletinha desennhada atrás! tecido leve e gostoso, apropriado p prática de esportes.
R$10,00

Blusa com tule e aplique

Ganhei da minha irmã que é muito fina... tem um aplique de flores em tecido que imita couro, na parte do colo e a transparência do tule.
Veste M.
Nunca usei.
R$35


,00

Blusa ombro só

Em viscose, acompanha cinto no mesmo tecido, veste P e M pequeno. Usei uma vez, está perfeita!
R$20,00


terça-feira, 30 de junho de 2015

Calça de veludo Kampai

Tam P (36 ou um 38 pequeno).
Calça de veludo cotelê verde claro, bolsos faca.
Fica belíssima no corpo  (tem elastano).
Usada e muito bem conservada.
R$10,00


.

sábado, 27 de junho de 2015

Bolsa vintage

Linda e estilosa. Está como nova.
R$22,00
p.s ela não está descorada atrás, foi efeio da ilminação.





Regata

Regata toda em renda de bilro, comprada no Ceará. Nunca usei.
Veste P e M pequeno.
R$15,00

Sobreposição renda

Da marca Lilly and Pretty, nunca usada. Toda trabalhada na renda e nos paetês. Acompanha bem  desde um vestido tomara que caia de festa até uma regata com jeans.
Tam M (veste P também)
A renda é preta, o flash estourou...
R$15,00


domingo, 7 de dezembro de 2014

Vestido/ saída Senhorita Black

Tam P, em plush. Ideal p saída de academia/natação.
Usada mas em perfeito estado de conservação.
R$15,00

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Rasteirinha Animal Print

Tam 36, pouc.o uso, em couro.
R$12,00

sábado, 7 de junho de 2014

A identificação com as coisas

A identificação com as coisas

Este cara se é Eckhart Tolle. Tolle conta que, aos 29 anos, depois de vários episódios depressivos, passou por uma profunda transformação espiritual, dissolveu sua antiga identidade e mudou o curso de sua vida de forma radical. Os anos seguintes foram dedicados ao entendimento, integração e aprofundamento desta transformação, que marcou o início de uma intensa jornada interior.
Veja o que ele fala sobre A IDENTIFICAÇÃO COM AS COISAS.
“Quem trabalha no setor de publicidade sabe muito bem que, para vender produtos supérfluos ou desnecessários, é preciso convencer as pessoas de que esses objetos acrescentarão algo à maneira como elas se vêem ou são vistas pelos outros, ou seja, que adicionarão alguma coisa à sua percepção do eu.
Os anúncios fazem isso, por exemplo, nos dizendo que vamos nos destacar da multidão usando tal produto e, assim, por implicação, seremos mais plenamente nós mesmos.
Outras propagandas criam uma associação na nossa mente entre o produto e alguém famoso, jovem, atraente ou de aparência feliz. Até mesmo imagens do início de carreira de celebridades que agora já estão velhas ou mortas funcionam bem para esse propósito.
O pressuposto implícito é de que, comprando determinado item, nos tornamos, por meio de uma apropriação mágica, como essas pessoas ou então assumimos sua imagem superficial. Assim, em muitos casos, não estamos adquirindo um produto, mas um “meio de realçar nossa identidade”.
As grifes de estilistas são, em termos básicos, identidades que compramos. Elas são caras e, portanto, “exclusivas”. Se todo mundo pudesse adquiri-las, seu valor psicológico se perderia e nós ficaríamos apenas com seu valor material, que talvez represente apenas uma fração do preço que pagamos por elas.
Paradoxalmente, o que mantém a chamada sociedade de consumo é o fato de que tentar encontrar a si mesmo por meio de coisas não funciona: a satisfação do ego tem vida curta. Assim, a pessoa continua buscando mais, continua comprando, continua consumindo.
Quando uma pessoa não consegue mais sentir a vida que ela própria é, em geral tenta preencher sua existência com coisas. Se esse for seu caso, sugiro, como uma prática espiritual, que você analise seu relacionamento com o universo das coisas por meio da observação de si mesmo e, em particular, de tudo o que é designado com a palavra “meu”.
É preciso que que esteja alerta e seja honesto para descobrir, por exemplo, se seu sentido de valor pessoal está ligado aos bens que possui.
Será que determinadas coisas lhe despertam um sentimento sutil de importância ou superioridade? A falta delas o faz se sentir inferior a quem tem mais? Você menciona de modo informal as coisas que possui ou as exibe para aumentar seu sentido de valor aos olhos das pessoas e por meio delas aos seus próprios olhos? Costuma ficar ressentido ou irado e, de alguma forma, se sente diminuído na percepção do seu eu quando constata que alguém te mais do que você ou quando perde um bem valorizado?”
Junte-se a nós por um mundo mais consciente

quinta-feira, 5 de junho de 2014

DOABOX- A Verdadeira Rede Social

Tá precisando de algo mas não pode (ou não quer) comprar? Tem coisas em casa que não usa mais e gostaria de se desfazer? Entra aqui então: https://www.doabox.com.br/

p.s: vc pode doar coisas ou serviços!